segunda-feira, 29 de outubro de 2012

O sentimento viciante

Eu estou sentindo dor, muita dor. Estou desfalecendo, acabando... Sinto que se for embora, ninguém sentirá minha falta.
 Ninguém se preocupa, eles só pensam em si mesmo, ninguém pergunta se estou bem. Devo aparentar força, mas por dentro estou desmanchando. Eu tento aguentar tudo de cabeça erguida, mas as lagrimas insistem em sair! Queria ir pra qualquer lugar, menos continuar aqui...
 Esse sentimento vicia, ele te desmotiva e destrói ao ponto de você não conseguir mais derrota-lo. Estou nessa fase, não tem nada, nem ninguém que consiga tirar essa dor de dentro de mim, a angústia e a solidão impregnaram no meu coração.

sábado, 27 de outubro de 2012

Guerra e Paz

 Eu só queria paz, só isso... É muito? Quanto vale o amor? Quanto vale a felicidade?
Minha vida está me assustando, eles estão me assustando... Sinto pena, muita pena. Sinto medo, angústia. Eu só queria que tudo ficasse bem, que fossem amigos, felizes.
 Por que só eu vejo isso? Por que só eu estou implorando por um momento de paz? A guerra está declarada, não tem bombas nem armas, mas tem olhares e falta de palavras, tem a discórdia e o rancor, a raiva e a dor. Tenho vontade de por tudo isso no papel e colorir, tirar esse preto e branco que empesteou  minha casa.


segunda-feira, 22 de outubro de 2012

O amor do pescador

 Ela chorou por ele, chorou lágrimas doces, e ele saboreou todas elas como se fossem o mais doce chocolate já existente. Ela era algo irreconhecível, algo indefinido, mas era o ser mais admiravelmente amável, jamais visto pelo ser humano. Sua doçura encantou o pobre pescador, ele nunca vira algo tão belo, tão encantador.
 Em seu pensamento, ele a salvou, salvou a garota vinda do mar. A trouxe para terra em sua rede, mas ela jamais poderia viver ali, seu lugar era na água, no interior do mais profundo mar. Mas o amor do pescador pelo ser estranho e encantador era grande demais para deixa-lá ir, era doloroso demais viver sem a doçura de suas lágrimas. Seu amor era egoísta, era possessivo.
 Ela chorou a última lágrima e o deixou, deixou-o na solidão, na solidão do homem sem a mulher. Mas ela também o amava, também sentia sua falta, então voltou à terra e lhe disse que tinha vidas incontáveis para ele, que poderia usar todas elas para ficar ao seu lado, e usou.

sábado, 13 de outubro de 2012

Pare pare pare !

Vamos encerrar de vez isso tudo, vamos parar de sentir dor? Vamos recomeçar do zero como se não nos conhecêssemos e nunca se conheceremos?
Vamos viver sem sofrer, sem sentir saudade, sem ter que se despedir?
Vamos na praia no fim de tarde e olhar nos olhos com uma lagrima querendo sair, uma lagrima de emoção de nos vermos outra vez?
Pare de invadir meu sonho!
Pare de me torturar!
Pare de me fazer lembrar que eu te amo!
Pare de jogar na minha cara que você não sente minha falta!
Não quero mais te ver, sinto raiva pelo que você fez comigo. Mas as vezes não consigo evitar sentir saudade. As vezes daria tudo só pra te ver, saber como você está... Minha vida virou um paradoxo, meus sentimentos estão em conflito, estão confusos.


sexta-feira, 12 de outubro de 2012

A droga do amor

 Ser humilhado, enganado, aceitar a mentira como se fosse verdade, e aguentar tudo isso com um belo sorriso nos lábios. Isso é o amor. Eu amei, amei intensa e profundamente, me entreguei a você de corpo e alma em uma bandeja de prata, mas você me jogou no lixo como um papel de doce que não serve mais pra nada, pisou em mim como se eu fosse um chiclete velho na calçada que não tem mais sabor.
 Ele é como uma droga, você não consegue viver sem, tudo perde o sentido sem o efeito que ele te dá. E quando se vai, quando você não o tem vem a abstinência, o desespero que te faz perder o ar, você é capaz de fazer tudo para te-lo outra vez.
 Eu fui me curar do seu amor viciante, ainda estou me curando, as vezes tenho recaídas  mas permaneço pura. As vezes bate aquela vontade de jogar tudo pro alto e voltar pra  vida viciante que você me dava. Dá vontade de ir correndo ai e deixar você me convencer, me enganar e iludir como antes. Mas eu não vou, não quero mais ilusões e efeitos, quero algo real e definitivo.